Como aprender uma nova língua?

Hoje vim falar um pouquinho sobre mim e nada melhor do que fazer isso e ajudar vocês ao mesmo tempo! Eu estudei um ano na Áustria e agora estou a um ano e três meses na Itália e meu processo de aprendizagem linguística foi o mesmo nos dois momentos…

1) Você tem que gostar da língua, simplesmente isso. Eu, por exemplo, não era muito fã do inglês, fiz aulas mas nunca aprendia. Esse ano em seis meses aprendi mais que estudando cinco anos forçada. Tudo depende do seu amor e sua necessidade para aquilo!

2) Ter contato diário. Não nego que desenvolvi a linguagem tendo o contato com italianos, alemãs, ingleses… Mas hoje em dia, existem vários grupos de Whatsapp e Facebook que trocam ideias e diálogos em outra língua para fins educativos.

3) Estar disposto a estudar, ceder um tempo do seu dia a isso. E confesso a vocês, esse é o ponto mais importante, pois conheci brasileiros que estão na Itália a anos, mas não sabem nada de gramática e de formação de frases. Vocês riem de alguém falando “mim ir”? Eles falam coisa pior…

4) Assistir filmes e séries e ouvir músicas de preferência com a legenda na língua que você quer aprender. Primeiro porque você ouve e lê a palavra como se fala e segundo que é mais fácil você identificar uma palavra que não sabe, assim, basta pausar e procurar em um dicionário o significado do termo desejado (sem deixar pra depois, porque depois a gente sempre esquece).

5) Não ter medo de errar. É a pior coisa, nos sentimos impotentes diante de pessoas que falam melhor que você (principalmente brasileiros, pois um estrangeiro irá entender que estás aprendendo). Então, se solte, nós aprendemos errando!

6) Tenha paciência… Eu lembro que chegava da aula chorando porque queria falar algo em alemão para meus colegas e eles não entendiam. Mas o jeito é ter paciência, não adianta se afobar. Com o tempo pegamos o jeito e expandimos nosso vocabulário.

Como funciona o vestibular de medicina na Itália?

Ele acontece uma vez por ano no mês de setembro. E é chamado de acesso programado nacional, isso porque você faz UMA prova e escolhe mais sedes como opção. No meu caso por exemplo, irei realizar a prova em Verona, mas me inscreverei para as universidades de Milano, Torino e Brescia. O valor da inscrição há anos vem sendo de €50 e eu acredito que é um valor acessível em comparação a qualidade de vida que tenho aqui.
Bom, a prova sendo nacional e igual para todos é dividida em 60 questões para serem respondidas em 100 minutos.
Cada questão certa, você ganha 1,5 pontos, porém cada errada você perde 0,4.
Para ingressar você tem que ter alcançado uma pontuação de no mínimo 20 de 90, porém essa não é a pontuação fixa. Como são vagas limitadas, óbvio que tem preferência quem tira pontuação mais alta. A média é normalmente 70 pontos.
As perguntas são divididos em: 12 questões de química, 8 questões de física E matemática, 18 questões de biologia, 20 questões de raciocínio lógico e 2 questões de cultura geral.
Além disso, eu acredito que a prova é justa, pois não costuma cobrar por exemplo fotossíntese, você só tem que saber o que é, mas o foco é médico, são mais frequentes questões de anatomia, fisiologia, divisão celular e respiração por exemplo, que são coisas que vocês vão usar na faculdade.
Acho legal salientar também, que essa é a mesma prova pra quem quer odontologia e profissões sanitárias (na tradução literária é isso, mas não tenho certeza da função dessa faculdade). –

– Mas então,você acha mais fácil passar ai que no Brasil?

R: Depende, eu no vestibular brasileiro ia muito bem em humanas, o que dava uma balanceada com os conteúdos que não sabia. Biologia e química é muito específico aqui. Precisa saber mesmo.
Bom, é isso! Espero que tenham gostado, qualquer dúvida, pode deixar um comentário! 😍

vittoriale degli italiani

 

O Vittoriale degli Italiani é um complexo de edifícios, ruas, praças, jardins, teatro a céu aberto e pequenos corsos de água que percorrem esse local. Entre 1921 e 1938, em Gardone Riviera, uma das pontas brescianas do Lago de Garda, o famoso escritor Gabriele D’Annunzio passou os últimos momentos de suas vida sob o projeto do arquiteto Giancarlo Maroni, em memoria da vida “inimitável” do poeta-soldado e também dos acontecimentos dos italianos durante a primeira guerra mundial.

O local, além de ser maravilhoso, é repleto de história e literatura. Como dito anteriormente, foi a casa de Gabriele D’Annunzio. Poeta e dramaturgo, foi ícone do período decadentista italiano e também político. Teve relações com diversas mulheres, entre duquesas, atrizes, princesas e dançarinas. Por conta do estilo de vida dispendioso, contraiu muitas dívidas e teve que fugir da Itália (eles chamam também de autoexílio).

Depois do início Primeira Guerra Mundial, D’Annunzio retornou à Itália e fez discursos públicos a favor do ingresso da Itália ao lado dos Aliados. Apresentou-se como voluntário, alcançou celebridade como piloto de caça, e perdeu a visão de um olho num acidente aéreo. Tomou parte também num ataque, militarmente irrelevante, ajudando assim a levantar o ânimo do público italiano, ainda abatido pelo desastre de Caporetto. Em 9 de agosto de 1918, como comandante do 87º esquadrão de caça La Serenissima, organizou um dos grandes feitos da guerra, liderando nove aviões em um voo de 700 milhas para lançar panfletos de propaganda sobre Viena. A guerra reforçou seu nacionalismo e o irredentismo italiano, e pregou ardorosamente para que a Itália assumisse um papel ao lado de seus Aliados, como uma potência europeia.

Abaixo, fotos do avião e de sua residência em Gardone.

Mas, para conhecer o local, não precisa conhecer necessariamente o autor e suas obras, a paisagem e a história escrita pelas paredes valem por si só.

Sua casa foi transformada em museu, seus pertences hoje estão expostos em um local secreto no terreno de sua moradia. Os soldados também são homenageados. Bombas, aviões, naves e navios de guerra estão a mostra para os apaixonados em história.

Uma coisa que nos chamou muito a atenção foi uma nave chamada MAS 96 (motoscafo armato), uma das mais potentes da época, usada para afundar naves e combater submarinos, forte poder de armamento e muito veloz, pois havia dois motores.

 

  • Valores:
  1. Parque monumental + Museu d’Annunzio Secreto + Museu d’Annunzio Heroi + Visita Guiada na Casa=€16,00
  2. Parque monumental + Museu d’Annunzio Secreto + Museu d’Annunzio Heroi=€13,00
  3. Parque monumental + Museu d’Annunzio Secreto=€8,00

 

A Partida

Lembro que quando comecei a avisar amigos, familiares, colegas de trabalho e conhecidos que estava de saída do Brasil, me deparei com as mais diversas reações. Recebi palavras de incentivo e muita gente dizendo: “isso mesmo, aproveita a oportunidade” ou “vai lá e representa!” entre outras. Mas também apareceram pessoas para jogar aquele balde de água na churrasqueira e tentar estragar o almoço de domingo. É normal e precisamos estar preparados para os “juízes” da vida alheia.
Correria, vende coisa na internet, procura apartamento no novo país, dá uma olhada em fóruns…aí meu Deus, o que eu devo levar na mala ?! E o documentos… estão ok?!
Quem já passou ou está passando por isso sabe do que eu estou falando. Não basta ter 1 milhão de coisas na cabeça, tem que acrescentar a ansiedade e uma dose cavalar de angústia e medo.
O aeroporto é o prédio onde a cápsula do tempo e do espaço se encontra. São várias, elas ficam estacionadas em fileiras e umas tem duas turbinas e outras quatro, umas viajam para o Japão, outras vão para os Estados Unidos, e outras podem lhe levar para qualquer outro lugar do mundo. O ser humano apelidou essas cápsulas de avião, eu prefiro continuar achando que são apenas cápsulas que desafiam o tempo e o espaço.
Antes de você me considerar uma louca paranóica, continue lendo e veja onde eu quero chegar.
Quando você resolve que a sua vida precisa mudar, nada vai conseguir tirar isso da sua cabeça. NADA.
Tudo vai parecer fora do lugar, seu coração começa a bater em descompasso, os assuntos na roda de amigos não coincidem, os sonhos não são os mesmos e até uma simples passada de olhos num folheto do supermercado parece a gota d’água para que você coloque as suas coisas numa mala e suma.
Quando você entra no tal prédio onde estão estacionadas as cápsulas do tempo, carinhosamente apelidadas de avião, suas malas estão pesadas. Nelas você está levando a sua vida em termos materiais (roupas, sapatos, livros, perfumes e etc), mas o peso mesmo se dá por conta da quantidade infinita de sonhos, desejos, aspirações, esperanças, coragem e vontade de mudança que ajudaram a quase arrebentar o zíper no momento de fechá-las.
Você faz o check in, despacha as malas, se despede. As lágrimas teimam em cair dos seus olhos e molhar o seu rosto.
São lágrimas de uma saudade que você ainda não sente, mas sabe que vai logo te pegar e fazer companhia.
São lágrimas de esperança, são lágrimas de alívio por ter chegado a sua hora.
Entra no portão de embarque, dá um último adeus e embarca para o futuro. Em algumas horas, a cápsula do tempo vai te fazer desembarcar em um lugar desconhecido onde as pessoas não falam a sua língua, onde as placas indicam lugares que você não conhece, onde o cheiro da comida é diferente, onde o dinheiro tem outro valor, onde os ônibus estão lotados de pessoas estranhas. É o mesmo mundo, mas em uma outra dimensão.
O seu amigo de verdade continuará para sempre sendo. A sua mãe continua sendo a sua mãe, o seu pai será sempre o seu pai, o irmão a mesma coisa, mas como tudo na vida tem um “mas”…mas as pessoas vão começar a lhe esquecer!
Não é imediato. Não acontece de uma hora para outra, mas acontece. E dói!!
Alguns que você tinha certeza que eram seus amigos serão despidos pelo tempo. A vida vai continuar, a vida precisa continuar. As pessoas vão casar, seus sobrinhos vão crescer, amigos vão partir, um parente vai adoecer e falecer, um conhecido vai se acidentar… e você estará vendo, sabendo e vivendo tudo isso estando em outra dimensão. Para além de uma sensação horrível de impotência, você não presenciará nada disso, pois você optou e embarcou na cápsula do tempo.
Aceitar e Aprender a Lidar!
Como eu disse, dói. Dói mas não mata. Você vai perceber (e tomara que não demore muito) que você é importante para muita gente, mas não é a coisa mais importante. Vai sentir que o mundo não gira em torno do seu umbigo e que a opção de mudar de dimensão foi única e exclusivamente sua.
Morar fora é aprender que a distância e o tempo são cruéis, que o slogan “quem não é visto não é lembrado” é bem verdadeiro e que o mundo continua rodando suas engrenagens sem você.
Dói, mas Vale a Pena?
Morar fora é criar resistência para a dor, é aprender a lidar com a saudade, é arranjar forças minuto a minuto.
Você descobre que a vida é feita de pequenos momentos, que um abraço faz falta, que um beijo não tem preço e que um minuto a mais ao lado de quem você ama é a melhor coisa boba que pode lhe acontecer. Depois de saber disso você deve estar se perguntando: mas morar fora vale a pena?!
Lhe digo por experiência própria: VALE MUITO. Vale a dor da saudade, vale a angústia da falta, vale o medo, vale o receio, vale o sucesso, vale o fracasso, vale o cansaço, vale a risada, vale a viagem, vale o vento na cara, vale não entender uma palavra do que o outro está falando, vale contar as moedas, vale comer macarrão com atum, vale correr para não perder o busão, vale o frio que dói no osso, vale conhecer o marroquino doidão, vale a carona, vale a conversão eterna da moeda na cabeça, vale combinar horário no Skype por conta do fuso com quem você ama, vale por tantas outras coisas e situações.

Autor Desconhecido, texto modificado.

 

Quis compartilhar esse texto com vocês pois é muito sobre o que passamos e o que estamos passando. É a nossa escolha e as consequências dela. Arrivederci!

Um símbolo de luta: “festa delle donne”

Olá pessoal! Tudo bem?

Hoje é, indubitavelmente, um dia mais do que importante na história do mundo.

O dia 8 de março foi importante em vários anos, antes de representar o que ele representa hoje. Como sabemos, nos Estados Unidos e em alguns países da Europa foram realizados manifestações nos anos de 1857 e 1908, ambas reprimidas violentamente.

O estopim foi no dia 25 de março de 1911, onde inúmeras mulheres acabaram, tragicamente, queimadas num incêndio em uma fábrica em Nova York, pelas precárias condições de trabalho e foi a partir de então, que o mundo se voltou para as mulheres e para as péssimas condições de serviço nas fábricas.

Porém, essa história todos já sabem… Hoje viemos mostrar pra vocês, o símbolo nacional da luta da mulher na Itália! ❤

Todos os países possuem uma tradição própria quanto a essa data, mas a Itália tem algo de particular, que ao nosso ver chama muito atenção: as mulheres são presenteadas com mimosa (inclusive na escola, as alunas ganham essa flor pra não esquecerem das raízes que as trouxeram onde estão hoje – lágrimas!).

A ideia de associar a mimosa ao dia da mulher é totalmente italiana e a atribui-se à Rita Montagnana e Teresa Mattei, duas grandes ativistas da união das mulheres italianas, que ao organizarem a primeira festa do dia internacional da mulher após a guerra, decidiram encontrar algo que pudesse se tornar símbolo do movimento.

Foi escolhido uma flor: a mimosa. Justamente porque ela floresce nos primeiros dias de março. Teresa Mattei disse que a escolheram por ser uma flor pobre, de fácil acesso para as pessoas de qualquer classe social (sendo facilmente encontrado nos campos).

A Acacia dealbata, que pertence a família das Mimosaceae, tem um perfume intenso e delicado, com a aparência frágil, ela esconde, na realidade, uma grande força, florindo sob qualquer terreno, sendo assim relembra a determinação feminina na procura de realizar seus objetivos em busca da igualdade do gênero.

O ramo de mimosa, com suas delicadas bolinhas amarelas, esconde internamente toda a luta que as mulheres enfrentaram durante os anos para adquirir tudo aquilo que possuem hoje.

Mas isso ainda não será o bastante  se no mundo ainda existir uma só mulher que não possa ser aquilo que almeja ser! 

 

FELIZ DIA DA MULHER! 🙂

Desenzano del Garda

Desenzano del Garda é uma cidadazinha linda, localizada na região da Lombardia, na província de Brescia. Ela faz fronteira com Lonato, Padenghe sul Garda, Peschiera del Garda (VR), Pozzolengo e Sirmione. E é impossível conhecer e não se apaixonar. Ela foi encontrada ainda na Antiga Era do Bronze, dois mil anos antes de Cristo.

Sem mais delongas, fizemos um pequeno itinerário para àqueles que querem conhecer esse pequeno pedacinho do céu em apenas um dia!

  • Museo Civico Archeologico Giovanni Rambotti: O museu arqueológico, em homenagem a Giovanni Rambotti (primeiro prefeito da cidade), possui o arado pertencente ao início da Idade do Bronze (2000 a.C.) e é considerado o mais antigo de seu tipo no mundo. Ele também recolhe artefatos encontrados ao longo das margens sul do Benaco do período Paleolítico até a Idade do Bronze. Ou seja, é um museu todo dedicado à pré história.
    A sede do museu é no antigo convento carmelita de Santa Maria de Senioribus, do século XV. Ele trambém preserva o sarcófago de Atilia Urbica.

Ingresso: Inteiro 4,00 euros – Reduzido 2,00 euros – Primeiro domingo do mês, gratuito para todos.

CHIOSTRO_museo.jpg

  • Castello di Desenzano: O castelo com vista para a cidade, foi fundado sobre uma fortaleza romana em defesa de invasões bárbaras, foi reconstruída no século XI e reforçado no século XV, quando a cidade continha apenas 120 casas e uma igreja dedicada a St. Ambrose. O edifício possui quatro torres, uma torre de entrada com os restos de uma ponte levadiça. No final de 1800 foi transformado em quartel, em execução até 1943. É uma das vistas mais maravilhosas para o lago e também para a cidade, de cima conseguimos ver as casas coloridas e geminadas, típicas dessas pequenos vilarejos.

Ingressos: Inteiro 3,00 euros – Reduzido 1,00 euro

  • Centro Histórico: O centro tem as suas origens em 1500 com a ajuda do arquiteto Giulio Todeschini. Na beira do lago há um monumento ao general Achille Papa, por Giancarlo Maroni, o arquiteto de D’Annunzio para o Vittoriale. Em frente, há um monumento aos mortos de todas as guerras, o trabalho moderno de Arnaldo Pomodoro. Cappelletti na praça é o monumento aos mártires da Resistência. Na Piazza Matteotti está o monumento às aeronaves de departamento de alta velocidade, inclinando-se em direção ao lago.
  • Porto Antigo: o qual já se fala em 1274, foi ampliada na época da República de Veneza devido o crescente mercado de serviço de grãos.
    Doca antiga com vista para as arcadas do palácio Todeschini, um edifício desenhado pelo arquitecto Giulio Todeschini como prefeitura. Encostado na última coluna é a pedra “dos desempregados”, onde subiu os leiloeiros, mas também os condenados por dívida. Em 1806 começou a construção do cais e farol em estilo nórdico, que ainda caracteriza o panorama do lago, enquanto o ponte de Veneza é o trabalho dos anos 30 do século passado.
  • Duomo: dedicada à Santa Maria Madalena foi construído sobre as ruínas de uma antiga igreja entre 1586-1611 pelo arquiteto Giulio Todeschini (sim, ele de novo!). A fachada tem elementos decorativos barrocos, enquanto o interior, uma basílica de três naves, é um dos melhores exemplos do final da Renascença, na província de Brescia. Dentro destacam-se as obras de Andrea Celesti, um representante proeminente da pintura veneziana de 1600, incluindo um grande “Ressurreição” e uma série de pinturas dedicadas a Santa Maria Madalena. Na capela da SS. Sacramento pode admirar “A Última Ceia”, um trabalho notável de G. B. Tiepolo 1738. A entrada é gratuita, mas não podemos tirar fotos no interno da Igreja, além dela ser mal iluminada durante as visitas de dia.
  • Parque do Ressurgimento e a torre de San Martino: O monumento comemora a batalha travada no dia 24 de junho de 1859 entre o exército austríaco e Franco-Piemontese. Na entrada da torre, de 64 metros de altura, o visitante é recebido por estátuas dos protagonistas da unificação da Itália, enquanto os afrescos dispostos ao longo da rampa de refazer os episódios do Ressurgimento. O terraço oferece um amplo panorama. O museu exibe armas, relíquias e documentos, bem como a utilização dos produtos soldados. Na capela-ossário é recolhido os ossos de milhares de vítimas. O parque é o lar de uma reconstituição espetacular da Batalha.  Olhem que lugar maravilhoso!

Além disso, óbvio que existem pequenas particularidades, mas isso você vai descobrindo conforme vai caminhando pela cidade. Desde o farol, até a rua do centro. Tudo muito arborizado, limpo e tradicional.

  • Mercato Stagionale: que nós, carinhosamente, chamamos de feirinha e não tem uma pessoa que não goste! No verão, duas vezes por semana, diversas barraquinhas de todas as cores e estilos são montadas na beira do lado. Lá você encontra desde comida típica, mel, pescados, frutos do mar frescos e fritos, flores a ferramentas, roupas, cobertores e utensílios para a casa.  Ela acontece em Lungolago C. Battisti e A. Anelli – p.za Cappelletti – p.za Feltrinelli às terças feiras das 8.00 as 13.00 horas e no domingo, na Via G. di Vittorio, também das 8.00 às 13.00 horas.

feirinha.JPG

Nossa recomendação é que vocês caminhem, sem preguiça, conheçam cada rua que puderem, cada praça e cada exposição. Vocês não precisam conhecer os museus para se apaixonar, o importante é curtir essa paisagem maravilhosa.

  • Mais fotos vocês encontram no nosso instagram.  😉

 

 

RECEITA: Spaghetti alla Puttanesca

 

O espaguete à putanesca (spaghetti alla puttanesca, em italiano) é um típico “primo piato” (primeiro prato), muito pedido pelos turistas que anseiam provar os sabores da cozinha italiana. É feito com tomate, anchovas, alcaparras, azeitonas pretas, pimenta e salsa.

Sobre a origem desse nome peculiar, existem muitas teorias e lendas que os italianos contam, porém as mais famosas, nos levam de volta aos antigos bordéis, que para atrair maior clientela, era feito rapidamente essa pasta, obviamente acompanhada de um bom vinho.

As regiões onde o spaghetti alla puttanesca é tipicamente prepado, são Lazio e Campania.

spaghetti-alla-puttanesca

Vamos aos ingredientes! 

  • 400g de espaguete nº 05;
  • 100g de azeitonas pretas (de preferência sem caroço);
  • 2 dentes de alho;
  • 1 colher de alcaparras;
  • 500g de tomates maduros;
  • 2 colheres de sopa de óleo de oliva;
  • 8 filetes de sardinha fresca;
  • Sal e salsinha a gosto.

Modo de Preparo! 

  • Para preparar o espaguete, lave os tomates em água corrente, corte uma “cruz” na sua base e o ferva, em seguida remova-os com uma espumadeira e os descasque (o corte feito anteriormente, facilitará a remoção da casca do tomate). Retire as sementes e sem seguida corte-os em cubos.
  • Lave as anchovas e as alcaparras, pique-as, triture o alho e corte em rodelas as azeitonas. Se preferir, acrescente pimenta vermelha fresca picada, na quantidade desejada (mas sem as sementes!).
  • Em uma frigideira, adicione o óleo e o alho, deixe dourar.
  • Adicione as anchovas e a pimenta. Assim que as anchovas começarem a amolecer, acrescente também as azeitonas em rodelas e as alcaparras. Deixe cozinhar um pouco.
  • Adicione os tomates e a salsa. Deixe cozinhar em fogo baixo de 10 a 15 minutos.
  • Enquanto isso, ferva o macarrão em água e sal (nada de óleo na panela do macarrão, viu?!), quando cozida “al dente”, despeje o macarrão na frigideira que já contém o molho e refogue.
  • Acrescente pimenta ou parmigiano se preferir.

E a pasta está pronta para ser saboreada!

Nos contem o que acharam nos comentários! Deu certo?

Um abraço e até a próxima! 😉

Cidadania Italiana e suas vantagens

Estando aqui há quase um ano, muitas pessoas acabam vindo até nós para pedir ajuda com os documentos e também tirar algumas dúvidas a respeito tanto da prática da cidadania quanto dos motivos que levam as pessoas a iniciá-la.

Listaremos aqui então, alguns aspectos que para nós, ítalos-brasileiros, são vantajosos a respeito de outras.

  • Temos os mesmos direito dos italianos nascidos aqui. Direito de voto, de assistência social e médica, educação de ótima qualidade, lazer, trabalho e aposentadoria.
  • Podemos residir pelo tempo que quisermos e desfrutarmos os nossos direitos assim como os nativos. Além disso, cidadãos italianos não tem restrições para a trabalho, estudos e negócios entre os países Europeus (todos os países membros da União Européia e do acordo Schengen, possuem um acordo onde todos os cidadãos europeus podem morar e trabalhar em qualquer um dos países membros sem a necessidade de visto ou de autorização para tal. Ou seja, se a economia não está muito boa em um país, você pode mudar-se para outro sem grandes burocracias.). Os cidadãos também não sofrem restrições quanto à sua permanência em outros países que não sejam europeus, como os Estados Unidos, Canadá e Japão, por exemplo.
  • Temos uma qualidade de vida superior a que tínhamos no Brasil. Mas não podemos negar que, assim como qualquer lugar, o início e a permanência aqui são difíceis por diversos fatores, como a língua e até mesmo a saudade. Mas economicamente falando, a crise que estamos passando aqui é inferior a crise no Brasil hoje (sendo que a Itália está em crise desde 2008).
  • Temos mobilidade, conseguimos transporte rápido e fácil pra qualquer lugar. Tanto ônibus, avião e trem. São seguros e você consegue atravessar a Europa pra simplesmente tomar um café da manhã francês ou esquiar nas montanhas austríacas!
  • Por mais que você não queira vir embora e deixar sua vida já estável no Brasil, você pode fazer a cidadania para criar maiores oportunidades para os futuros membros de sua família, até porque seus filhos, netos e bisnetos pegam automaticamente seu título de cidadão europeu.
  • Maior flexibilidade nos estudos, oportunidades de intercâmbios e de empregos.

E ai? Esquecemos de alguma vantagem? Nos diz nos comentários por que fizeram ou por que querem fazer a dupla cidadania de vocês!

Duas famílias iguais em dignidade: Romeu e Julieta

E neste belo clima carnavalesco, nada melhor do que falar de uma linda e clássica história de amor, que não importa onde, nem quem você seja, provavelmente conhece ou já ouviu falar no clássico Shakespeariano do século XVI.

Romeu e Julieta (que em italiano chamamos de Romeo e Giulietta – pode fingir um sotaque bem forte pra falar o nome dela e se sentir um pouquinho italiano), não é uma obra exclusiva de Shakespeare (por mais que todos acreditem que seja), mas seu enredo foi inspirado em versos da “Trágica História de Romeu e Julieta” de Arthur Brooke e em “Palácio do Prazer” de William Painter. Porém Shakespeare exaltou personagens secundários, como Páris e Mercúrio.

Na pequena Verona renascentista de 1500, duas famílias tradicionalistas – os Montecchios e os Capuletos – cultivam uma intensa inimizade de anos. Sem se envolverem nas discussões familiares, Romeu e Julieta, que são filhos únicos das famílias rivais, se apaixonam em uma festa promovida pela família de Julieta e como todo bom romance, lutam para ficarem juntos até o fim.

O final todos já sabemos, obrigada a se casar com Páris, Julieta com ajuda do Frei, toma uma poção antes do seu matrimônio para simular sua morte, porém, antes do Frei conseguir avisar Romeu, este vê sua amada “morta”, se envenena e morre ao seu lado. A jovem, ao acordar, se dá conta do que aconteceu e, com o punhal roubado de Romeu, se mata. Os dois são encontrados juntos, mortos, para completo desespero dos familiares. Abalados com a tragédia, eles se reconciliam definitivamente.

A tragédia além de exaltar o amor proibido, também denuncia a hipocrisia e as convenções sociais, os interesses econômicos e a sede de poder, elementos que engendram inevitavelmente a intolerância e condenam o sentimento do casal italiano.

A história de Romeu e Julieta praticamente transformou-se em um arquétipo da psique humana, como ocorreu, por exemplo, com o mito de Édipo, criado por Sófocles, célebre dramaturgo grego, e convertido por Sigmund Freud em um conceito fundamental da Psicanálise.

…E no meio dessa história de tirar o fôlego e às discussões sobre a veracidade dos fatos, resolvemos conhecer um pouquinho mais Verona e seus encantos.

Depois que a peça de Shakespeare virou filme pelas mãos de George Cukor, em 1936, o drama do amor impossível foi se tornando cada vez mais popular e Verona aproveitou a onda para investir em seus pontos turísticos.

Localizada no centro histórico da cidade, fica o atrativo principal: a Casa de Julieta.

3fb7280f-bfc2-4d0b-932b-4d971e28a89f

Estátua de Bronze de Julieta

A Casa de Julieta está disponível para visitação. É uma casa simples, mas que condiz com a época.

No segundo andar temos a sacada na casa da família Capuleto, que nos relembra nostalgicamente uma das passagens mais lembradas pelos românticos, quando Julieta está no alto e Romeu declama suas juras de amor à ela.

No terceiro andar, encontramos seus aposentos, uma cama de casal, juntamente com as roupas usadas pelos atores que os interpretaram no cinema. O quarto é em estilo renascentista, desenhado por Renzo Mongiardino para o filme de Franco Zeffirelli (1968).

No quarto andar (e particularmente meu favorito), tem-se telas adaptadas para que possamos ler e também escrever nossas próprias cartas de amor, além da tradicional posta, para àqueles que preferem escrever as cartas a mão e deixar sua marca de uma maneira diferente.

Em todos os andares existem guardas, mas ninguém lhe diz nada a respeito da casa. Mas como somos curiosos, conversamos com o segurança mesmo, que insistiu para que escrevêssemos nossa carta e deixássemos nossa passagem registrada. Ele inclusive acessou as telas e nos mostrou o histórico da região, me contando um pouquinho sobre o Clube da Giulietta (apaixonante!) e as escolhas anuais das cartas.

Já no quinto andar, encontramos alguns pertences da família e objetos da época estilizados.

No pátio da casa, a famosa estátua de Julieta (feita de bronze) que segundo a lenda, devemos tocar no seu seio direito para dar sorte no amor e na vida!

Com isso, a estátua que encontramos no pátio não é a original, porque ela foi danificada com o passar do tempo. A original está dentro da casa, ao lado da estátua de Shakespeare.

Verona ainda tem outra lenda ao redor da história. O antigo Convento de San Francisco al Corso reserva, em seu subterrâneo, a Tomba di Giulietta, suposto túmulo onde Julieta foi enterrada. O local abriga ainda um jardim lapidar, uma galeria de arte e uma igreja construída em 1230.

Valores:

  •  Pátio da Casa de Julieta (estátua): gratuito.
  • Casa de Julieta: Seis euros (estudante e idosos pagam cinco euros).
  • Túmulo de Julieta: Quatro euros e cinquenta.
  • Combo túmulo+casa: Sete euros.

Dicas:

  • Filme: Cartas para Julieta
  • Blog: http://www.julietclub.com/it/su-di-noi/

Pontos Negativos: 

  • Fim do portão de cadeados: Agora os turistas colocam os cadeados onde conseguem, pois a prefeitura retirou um portão que havia atrás da estátua da Julieta e cobriu com uma placa de plástico outra para evita-los.
  • Chicletes nas paredes: São colados para firmar as cartas e bilhetinhos, já que a posta para colocar a carta é apenas dentro da casa. Deveriam possibilitar maior acesso a postagem das cartas.
  • Muros Riscados: A Prefeitura já interveio muitas vezes colocando placas e multando, mas infelizmente as pessoas continuam riscando as paredes e denegrindo o patrimônio público.
  • Sem acessibilidade para cadeirantes e pessoas com deficiência.

Pontos Positivos: 

  • Lugar recheado de história e cultura.
  • Fácil interação, a maioria das pessoas do comércio falam mais de dois idiomas.
  • Sem muita despesa. Quem quer simplesmente conhecer os lugares sem gastar muito consegue com muita facilidade.
  • Muito bem monitorado, seguranças e policiais nas ruas sempre. Operações antiterrorismo.

Fotos:

Transporte Público Italiano

Há quem diga que o transporte público italiano não é eficiente (em comparação aos outros países europeus). Nesse Link você consegue ver uma pesquisa de satisfação dos usuários do transporte público italiano.

TREM

Sendo a Itália banhada pelo Mar Mediterrâneo ao leste, oeste e sul, essa é uma importante rota de saída para embarcações, por isso é muito bem servida de linhas ferroviárias, para que contêineres com mercadoria e matéria prima possam ser facilmente transportadas sem disturbar o trânsito dentro das cidades e das rodovias italianas.

Há atrasos de 20 a 25 minutos no máximo, greves e também cancelamento de trens por condições climáticas extremas (neve, por exemplo), porém isso raramente acontece.

No início, nosso trem sempre atrasava pelo simples fato deles estarem reformando a ferrovia. Na verdade, estão construindo um linha ferroviária fora da estação para os trens de alta velocidade que não precisam parar nas cidades. Assim, eles não precisam reduzir a velocidade quando chegam na estação e não atrapalham os trens de maior circulação – os ditos trens regionais – que precisam esperá-los passar para não gerar atrasos. Ao menos saber que o atraso tem uma justificativa plausível, não nos deixa tão zangados, né?

Em relação a preços, são muito justos e, para viagens dentro da Itália, muito baratos. Por exemplo, levando em consideração a cidade de Verona temos:

  • Verona a Milano (150 km): 12€ 
  • Verona a Veneza (120 km): 8€
  • Verona a Firenze (245 km): 37,30€
  • Verona a Roma (500 km): 71,30€
  • Verona a Pisa (302 km): 50€

Lembrando que esses valores alteram conforme o trem (pois eles são divididos em regionais, regionais rápidos, além dos freccia bianca, rossa e  argento (tipo, rápido, super rápido e hiper rápido) ) e também alteram durante a temporada de verão, mas a média de valores são aproximadamente esses.

trenitalia

máquina para validar ticket/bilhete de trem

E lembrem-se sempre de validarem os bilhetes 🙂

Para viagens internacionais, por exemplo, é preferível pegar avião, porque é mais barato. Único ponto negativo é pelo fato que os aeroportos são retirados da cidade, mas na maioria dos lugares já tem ônibus e/ou linhas ferroviárias que ligam o centro aos aeroportos, sem precisar pagar um absurdo de táxi.

  • Um exemplo de viagem internacional que vimos é para Paris, que de avião gastaríamos 26,61€ por pessoa (sim, pasmem!) já de trem, gastaríamos 148€, uma diferença gritante!

ÔNIBUS

O ônibus sempre funcionou muito bem, são confortáveis, limpos, porém nos horários de pico, ficam lotados (normal) porque aqui eles tem a cultura de usá-los ao invés de ir de carro.

Não existe um cobrador, você mesmo faz a validação de seu ticket ou badge ao entrar. Porém se o motorista quiser controlar, ele tem esse direito e se achar que alguém está sem bilhete válido, ele não parte até essa pessoa descer ou comprar o bilhete, mas isso raramente acontece. Também para isso tem a “guarda de finanças”, que rotineiramente entra no ônibus e faz o controle, não existe um dia fixo, isso é aleatório, se não estiver com seu bilhete validado, você é expulso do ônibus e ainda tem que pagar uma multa.

Os bilhetes são bem baratos, ainda mais dentro da cidade, nós pagamos 2€ para andar 90 minutos de ônibus. Eles podem ser comprados diretamente com o motorista (porém são uns 10/20 cents mais caro), em um agência da empresa de transporte, nos bares ou em uma tabaccheria (local típico em toda cidade italiana, um lugar onde vendem jornais, jogos de loteria, cigarros, além de algum deles aceitarem o pagamento de boletos e contas domésticas). ALÉM DE TER ÔNIBUS GRATUITO PARA O SHOPPING, YES! (Ah, aqui eles chamam de centro comercial, não shopping, 😀 )

METRÔ 

O metrô também funciona muito bem. Consegue-se chegar facilmente em qualquer lugar, rápido, fácil e não precisa falar com ninguém para comprar os bilhetes, compramos diretamente nas máquinas disponíveis pela estação (self-service).

Metrô-de-Milão.jpg

Exemplo de mapa ferroviário do metrô de Milano

Por exemplo, se chegar na estação central de Milano, entrar na linha amarela, você desce em frente da Duomo de Milano em 5 minutos.

As opções de bilhetes são:

  •  Normal: custa € 1,50 e pode ser utilizado para uma viagem no metrô.
  •  Diário: custa € 4,50 e é válido por 24 horas.
  • 48 horas: custa € 8,25 e é válido por 48 horas.

E LEMBRANDO QUE VOCÊS NÃO PODEM JOGAR FORA O BILHETE DO METRÔ ATÉ SAÍREM DELE, PORQUE VOCÊS CONVALIDAM O BILHETE NA ENTRADA E NA SAÍDA.

Fazendo uma média, mensalmente com transporte gastamos:

  • Trem Verona-Milano: 139,00€
  • Ônibus: 45€
  • Metrô: 22€ (menor de 26 anos – considerado estudante);

– Normalmente o transporte é pago pela empresa na qual você trabalha, como é o nosso caso.

Conte nos comentários sua experiência com transporte público, seja no Brasil, seja em outro país dá Europa, ou aqui na Itália mesmo! Esperamos que tenham gostado, até a próxima!